O risco de crédito no México

Os setores agrícola, automóvel, bens de consumo duradouro, construção, engenharia, metalurgia, papel, serviços, siderurgia e têxtil mexicanos apresentam um elevado risco de incumprimento.
 

Lisboa - 18-fev-2021

 

 

 

  • Agricultura - Risco elevado


Em 2020, o setor foi afetado pela retração económica e pelo aumento dos custos de importação de agroquímicos, devido à volatilidade do peso em relação ao dólar, que impactou negativamente nas margens. No entanto, em 2021 espera-se uma lenta recuperação do setor. Embora a agricultura continue exposta à volatilidade dos preços das commodities devido às flutuações das taxas de câmbio, a implementação do acordo de livre comércio deve ajudar a sustentar o crescimento em 2021, beneficiando principalmente a pecuária.

 

  • Alimentação - Risco médio


Os gastos com alimentos e bebidas não alcoólicas continuarão a apresentar um bom desempenho em 2021, pois os consumidores priorizam as necessidades básicas. Espera-se que o retalho alimentar online continue a crescer, depois de registar fortes aumentos em 2020. O valor acrescentado do setor deve crescer mais de 2% em 2021. Um possível risco de queda para certos segmentos pode ser o elevado desemprego, outra vaga da pandemia e a incerteza quanto à implantação da vacinação. Regulamentações mais rígidas sobre alimentos e bebidas por motivos de saúde representam um risco adicional.

 

  • Automóvel e transporte - Risco elevado


Em 2020, a produção de veículos e componentes diminuiu 30% e 20% em relação ao ano anterior, respetivamente. Essa queda concentrou-se principalmente no segundo trimestre. O setor começou a recuperar a partir do terceiro trimestre de 2020. A venda de veículos novos no México apresenta uma tendência de queda desde 2017, com queda significativa devido à pandemia. Os consumidores aumentaram o seu interesse em manter os seus veículos atuais e em comprar veículos usados. O incumprimento e as insolvências aumentaram em 2020, mas deverão estabilizar no primeiro semestre de 2021 se o setor continuar a sua recuperação. Após uma contração de 28% em 2020, o valor acrescentado do setor deverá recuperar 20% em 2021.

 

  • Bens de consumo duradouro - Risco elevado


As vendas de bens de consumo não alimentar deterioraram-se em 2020 devido ao impacto do coronavírus, com uma redução de 10% no consumo privado. No segundo trimestre de 2020, os grandes armazéns reportaram uma queda nas vendas entre 50% e 70% face ao ano anterior, devido às medidas de contenção. No terceiro trimestre, a queda continuou, embora menos pronunciada, enquanto as vendas online foram uma exceção, experimentando um forte aumento. Apesar da temporada de férias, os resultados do quarto trimestre de 2020 foram afetados negativamente por confinamentos na capital, bem como pela baixa confiança do consumidor. As perspetivas para o primeiro trimestre de 2021 permanecem sombrias, uma vez que as famílias continuam a enfrentar pressões económicas. O valor acrescentado do setor deve recuperar uns modestos 3% este ano, após contrair 8% em 2020. A capacidade financeira de muitas empresas deteriorou-se seriamente e os incumprimentos aumentaram acentuadamente nos últimos meses.

 

  • Construção - Risco muito elevado


Depois do fraco desempenho de 2019, a recessão económica causada pela pandemia agravou a situação de muitas empresas do setor. As operações e projetos foram suspensos entre abril e maio de 2020 e a recuperação tem sido lenta desde então. Após uma contração de 15%, o valor acrescentado do setor deverá aumentar apenas 7,5% em 2021. Os incumprimentos aumentaram desde o terceiro trimestre de 2020.

 

  • Eletrónica e TIC - Risco médio


O desempenho da eletrónica e das TIC não foi tão afetado pela pandemia de coronavírus como inicialmente previsto. Em vez disso, o setor teve um bom desempenho em comparação com muitas outras indústrias. As vendas beneficiaram especialmente do aumento do teletrabalho e da necessidade de muitas empresas atualizarem as suas plataformas para continuar a funcionar. A maioria das empresas do setor de TIC declarou receitas estáveis ou mesmo em crescimento em 2020. O valor acrescentado do setor deverá aumentar 5% em 2021, após um crescimento de 2% em 2020.

 

  • Financeiro - Risco médio


O setor de serviços financeiros permanece resiliente. Os bancos estão a reportar receitas mais baixas e margens menores, em parte devido à criação de maiores reservas para cobrir dívidas incobráveis. No entanto, até ao momento, não registaram perdas. As instituições financeiras relataram atrasos nos pagamentos, mas concederam prorrogações aos seus clientes.

 

  • Maquinaria e engenharia - Risco muito alto


O investimento de capital no México deteriorou-se acentuadamente em 2020 e o valor acrescentado da engenharia deve diminuir 18% em 2020. Os incumprimentos e as falências aumentaram em 2020. No primeiro semestre de 2021, espera-se que a recuperação permaneça lenta.

 

  • Metalurgia - Melhoria do risco de muito elevado para elevado


No primeiro semestre de 2020, o setor sofreu com a desvalorização do peso, a volatilidade dos preços dos metais e a queda na procura por parte dos principais setores compradores devido à desaceleração económica. As finanças das empresas estão sob pressão crescente e estima-se que o valor acrescentado do setor tenha diminuído 8% em 2020, após uma contração de 10% em 2019. Os empréstimos em incumprimento aumentaram no segundo semestre de 2020. Dada a modesta recuperação no desempenho, é esperada uma ligeira diminuição do incumprimento no primeiro semestre de 2021. Os preços dos metais devem aumentar modestamente em 2021 devido à crescente procura por metais por parte da China e à procura global por baterias para automóveis elétricos.

 

  • Papel - Risco elevado


Subsetores como a impressão de jornais são gravemente afetados pelo aumento dos preços das importações de matérias-primas e pela queda da procura devido à atual recessão. No entanto, empresas em alguns subsetores, como as embalagens, não são tão afetadas, pois beneficiam do aumento nas compras online. O valor acrescentado do setor deverá diminuir cerca de 4,5% em 2021, num contexto de crescimento dos incumprimentos.

 

  • Químico e farmacêutico - Risco médio


Enquanto muitas empresas químicas que vendem para os setores automóvel, construção ou têxtil foram severamente afetadas pela crise económica, os fabricantes de plásticos para embalagem de alimentos e saúde beneficiaram em termos de vendas e margens. Mais de 80% das empresas químicas no México são pequenas ou médias empresas e os principais veículos de financiamento do setor são as cadeias de fornecimento. No primeiro semestre de 2020, a liquidez das empresas do setor químico foi afetada pela volatilidade da moeda e pelos baixos preços do petróleo. No entanto, no segundo semestre, os preços do polietileno recuperaram como resultado da escassez provocada pela temporada de furacões e pelo encerramento de instalações petroquímicas no Golfo do México. Os preços devem permanecer estáveis no primeiro semestre de 2021, sem grandes quedas. Nos últimos meses, houve um ligeiro aumento dos empréstimos em incumprimento no setor químico. O valor acrescentado da indústria deverá aumentar 4% em 2021, após uma queda de 3% em 2020. As empresas farmacêuticas financeiramente fortes beneficiaram do aumento da procura por medicamentos. Prevê-se que o valor acrescentado dos produtos farmacêuticos cresça cerca de 3% em 2021.

 

  • Serviços - Risco elevado


Devido às medidas de confinamento, ao encerramento de fronteiras e à retração económica, muitos segmentos sofreram muito em 2020, principalmente a hotelaria, restaurantes, bares, espetáculos, eventos culturais, aeroportos, turismo, agências de viagens e operadoras de turismo. O valor acrescentado do setor deverá diminuir 22% em 2020. No final de dezembro de 2020, os restaurantes da Cidade do México e da região metropolitana foram encerrados, oferecendo apenas serviços de take-away. A previsão é de que até ao final de 2020, 20% dos restaurantes acabem por desistam dos seus negócios. Em relação ao setor hoteleiro, para o período das festas de Natal, o governo do estado de Quintana Roo concedeu licenças especiais para operar com 80% de ocupação, o que pode levar a uma ligeira recuperação do setor. No entanto, isso ainda é insuficiente para compensar os efeitos da pandemia. O número e o valor dos atrasos nos pagamentos aumentaram fortemente no setor de serviços mexicano em 2020, em especial no segmento de hospitalidade. Uma possível recuperação em 2021 depende amplamente da evolução da pandemia e de uma ampla disseminação do programa de vacinação.

 

  • Siderurgia - Risco muito elevado


Em 2020, a indústria sofreu com a desvalorização do peso, o aumento dos preços do minério de ferro e a queda no consumo de aço por parte dos principais setores compradores, como o automóvel e a construção. As finanças das siderúrgicas estão cada vez mais tensas e o valor acrescentado do aço deve diminuir quase 10% em 2020, após uma contração de 10,5% em 2019. Os empréstimos em incumprimento e as falências aumentaram acentuadamente no primeiro semestre de 2020 e subiram ainda mais no terceiro trimestre do ano. Dada uma modesta recuperação no desempenho, espera-se uma ligeira diminuição dos incumprimentos no primeiro semestre de 2021.

 

  • Têxtil - Risco elevado


Os produtores, grossistas e retalhistas já sofriam antes do surto do coronavírus com uma concorrência feroz e margens estreitas. A deterioração das vendas devido à pandemia exacerbou a crise do mercado. Embora a indústria de vestuário e calçados tenha aumentado significativamente os volumes de vendas online, isso não foi suficiente para compensar as perdas dos retalhistas tradicionais. O valor acrescentado do setor deve contrair mais de 20% em 2020. Os prazos de pagamento no setor são longos, até 120 dias. Os incumprimentos aumentaram consideravelmente e espera-se um novo aumento no primeiro semestre de 2021.

 

Sobre a Crédito y Caución


Crédito y Caución é uma das marcas líderes em seguro de crédito interno e de exportação em Portugal, com uma quota de mercado de 24%. A Crédito y Caución contribui para o crescimento das empresas, protegendo-as dos riscos de incumprimento associados a vendas a crédito de bens e serviços. A marca Crédito y Caución também está presente em Espanha e no Brasil. No resto do mundo opera como Atradius. Somos um operador global de seguro de crédito presente em mais de 50 países.  A nossa actividade consolida-se no Grupo Catalana Occidente.
 

Mantenha-se informado. Receba a nossa Newsletter

Esta pagina web utiliza cookies

Utilizamos cookies de terceiros para fins analíticos (produzindo estatísticas baseadas nos seus hábitos de navegação), personalização (para lembrar o idioma ou as configurações preferidas da web) e publicidade comportamental (para desenvolver perfis e oferecer publicidade adaptada às suas preferências de navegação). Poderá configurar o uso desta tecnologia. Poderá também modificar ou retirar o seu consentimento a qualquer momento, clicando em "Declaração de Cookies".

 

Marketing

Os cookies de marketing são utilizados para rastrear os visitantes dos sites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e atraentes para o utilizador individual e, por conseguinte, mais valiosos para os editores e anunciantes terceiros.

Necessárias

Os cookies necessários ajudam a tornar um site utilizável, ativando funções básicas como navegação na página e acesso a áreas seguras do site. O website não pode funcionar corretamente sem estes cookies.

Estadísticas

Os cookies estatísticos ajudam os proprietários dos sítios Web a compreender como os visitantes interagem com o sítio Web, recolhendo e fornecendo informações de forma anónima.

Preferências

Os cookies de preferências permitem que o site se lembre de informações que alteram a forma como o site se comporta ou é apresentado, tais como o seu idioma preferido ou a região em que se encontra.