Microempresas suportam modelo de crescimento assente nas Exportações que respondem por 79,6% do crescimento do PIB em volume

Em 2016, as Exportações foram responsáveis por 1,2% do crescimento do PIB em volume (79,6%), com a Procura Interna a contribuir com apenas 0,3% (20,4%). Este é um cenário diametralmente oposto ao que se vivia na economia portuguesa há duas décadas.

Madrid - 31-mai-2017

 

"Economia Portuguesa: duas décadas de transformação. Um novo modelo de crescimento assente nas exportações" é um estudo elaborado pela Iberinform, filial da Crédito y Caución especializada em Business Intelligence, informação empresarial e recuperação de créditos, que faz uma análise detalhada da evolução das Exportações em Portugal, entre 1996 e 2016, identificando os principais indicadores de análise macro e microeconómica.

 

O estudo foi apresentado hoje, em Lisboa, no Centro Cultural de Belém, numa iniciativa dedicada à Internacionalização que assinala o 70º aniversário da Iberinform e o 20º da seguradora de créditos Crédito y Caución em Portugal.

 

A apresentação contou com as presenças de Bruno Bobone, Presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, António Monteiro, CEO da Iberinform Portugal, e de um painel de oradores que debateu as principais tendências e cenários a considerar na alavancagem das exportações nacionais. Jorge Costa Oliveira, Secretário de Estado da Internacionalização, referiu a propósito: “Para que a reflexão sobre esta matéria [Internacionalização] possa ser feita de forma séria, é importante que haja contributos de qualidade e o estudo que será apresentado neste evento é um excelente ponto de partida”. 

 

Perante a evolução favorável das Exportações nacionais, com “um aumento de 17,1% em março de 2017 face ao período homólogo do ano passado e de 18,7% em relação a fevereiro deste ano”, segundo dados divulgados pelo Secretário de Estado da Internacionalização, este responsável salienta: “O que é importante é manter o rumo e não esquecer que uma parte muito significativa do nosso crescimento económico vai continuar a variar na razão direta do aumento das Exportações. (…) Todos os mecanismos que temos e que possamos criar de forma a ter um crescimento sustentado das exportações (…) e a melhorar e solidificar a forma como as empresas portuguesas se internacionalizam vai continuar a ter um efeito muito direto, um impacto muito claro, na economia nacional”.

 

De acordo com António Monteiro, CEO da Iberinform em Portugal, “a divulgação deste estudo pretende demonstrar a evolução vivida, especialmente no setor exportador, e lançar o debate sobre a crescente importância da Internacionalização das nossas empresas para o sucesso económico do país e para a dinamização do tecido empresarial nacional. O mercado externo é, de facto, uma oportunidade crescente e estamos aqui para ajudar as nossas empresas a dar esse passo com segurança”.

 

Paulo Morais, diretor da seguradora de créditos Crédito y Caución em Portugal e no Brasil e presidente do Conselho de Administração da Iberinform Portugal, acrescenta: “Não é possível crescer sem estar exposto a diferentes tipos de ameaças. O nosso propósito é apoiar as empresas em cada passo, mitigando ou eliminando riscos. Em Portugal, neste momento, estamos a dar cobertura a operações de empresas exportadoras nacionais em 130 países, garantindo a boa cobrança das vendas. É um contributo baseado no compromisso de acompanhar os clientes para onde quer que eles vão”.

 

Com a integração de Portugal na Comunidade Económica Europeia (CEE) em 1986, a economia nacional aumentou fortemente o seu grau de abertura ao exterior, e as Exportações passaram a ser determinantes para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2016, as Exportações foram responsáveis por 1,2% do crescimento do PIB em volume (79,6%), com a Procura Interna a contribuir com apenas 0,3% (20,4%). Este é um cenário diametralmente oposto ao que se vivia na economia portuguesa há duas décadas, quando a Procura Interna representava 76,1% do crescimento do PIB e as exportações 23,9%. De acordo com as previsões para a Economia Portuguesa do Plano de Estabilidade e Crescimento 2017/2021, com um crescimento real previsto de 4,5% por ano das Exportações e um crescimento crescente de 1,8%, 1,9%, 2%, 2,1% e 2,2% do PIB, em 2021 prevê-se que as Exportações ultrapassem a metade do PIB (50,2%).

 

As Exportações de Serviços têm vindo a ter uma influência cada vez maior no crescimento das Exportações nacionais, com destaque para o Turismo. Os serviços passaram de 21,8% do total em 1995, para 28,4% em 2016. Quanto às Exportações de bens, o estudo hoje apresentado salienta o seu aumento e uma maior diversificação ao longo das duas últimas décadas, com o aumento do peso relativo de produtos que tinham menor expressão e com a quebra de produtos que tinham um maior peso como, por exemplo, os Plásticos e Borracha (de 2,6% para 7,5%), os Produtos Agrícolas (3,1% para 6,6%), que em conjunto com os Alimentares passam de 7,5% para 11,8%, ou os Veículos e outro material de transporte passam de 9,7% em 1995, para 15,4% em 1996 e para 11,3% em 2016.

 

Em termos de evolução de mercados, o estudo sublinha o forte aumento do peso de Espanha. O mercado vizinho evolui de 4,1% em 1985, para 15,7% em 1995, para alcançar os 26,2% em 2016. Os mercados da Alemanha e de França também aumentam o seu peso com a adesão à CEE, passando de 13,7% e 12,7% respetivamente, em 1985, para 21,3% e 14,1% em 1995, com quebra posterior para 11,6% e 12,6% respetivamente, em 2016. Com a adesão à EU dos países da Europa de Leste, as empresas portuguesas realizam o seu potencial e fazem aumentar o peso da latina Roménia para 0,8%, da Hungria (0,4%) e das eslavas Polónia (1,1%), República Checa (0,6%) e Eslováquia (0,4%). De salientar, ainda, os mercados do Norte de África – Marrocos (1,4%), Argélia (0,9%) e Tunísia (0,4%). A China também aumenta de 0,1% em 1995 para 1,3% em 2016.

 

Segundo a análise do estudo da Iberinform, as pequenas e média empresas perderam peso nas Exportações nacionais durante as últimas duas décadas, decrescendo substancialmente de um valor conjunto de quase 62%, para uns modestos 12,9%. Hoje são as microempresas que suportam o novo modelo de crescimento da economia portuguesa assente nas Exportações. Em 2015, esta tipologia de empresas representou quase 87% do total das empresas exportadoras nacionais, quando há duas décadas não ascendia a 37%.

 

No total das empresas exportadoras, a análise revela que as exportadoras recentes (constituídas entre 2010 e 2015) são as que apresentam menor Risco de Incumprimento (avaliado pelo Score Iberinform), bem como uma menor incidência de dissoluções (10,5% versus 15,2%), de insolvências e cessões de atividade (2,1% versus 8,7%). Entre outras caraterísticas sintetizada no trabalho, as novas empresas exportadoras nacionais têm um maior peso de empresas de elevado crescimento (4,8% versus 0,9% em 2015, superior aos 4,5% versus 0,4% em 1996), com uma maior taxa de exportação e uma menor dependência do Mercado Interno (35,1% versus 24,3%, superior aos 26,1% versus 15,1% em 1996). São empresas com uma maior produtividade (1,71 € versus 1,66 €, inferior a 1996) e menor Risco Financeiro (menor absorção de Valor Económico por Juros e outros custos de financiamento, maior cobertura e menor peso do endividamento remunerado, maior autonomia financeira). As novas empresas exportadora apresentam, ainda, uma maior Rendibilidade Financeira (10,3% versus 6,6%, superior a 1995).

 

Sobre a Iberinform

 

A Iberinform é a filial da Crédito y Caución que oferece soluções de gestão de clientes para as áreas financeiras, de marketing e internacional. Fornece bases de dados para a identificação de novos clientes e ferramentas que facilitam a gestão de riscos, a análise e acompanhamento de clientes ou setores. O seu serviço de informação empresarial possibilita a obtenção de relatórios de empresas em mais de 200 países ou territórios e aceder às maiores bases de dados de incumprimento bancário em Espanha, como o RAI e ASNEF Empresas.

 

Sobre a Crédito y Caución

 

Crédito y Caución é uma das marcas líderes em seguro de crédito interno e de exportação em Portugal, com uma quota de mercado de 26%. A Crédito y Caución contribui para o crescimento  das empresas, protegendo-as dos riscos de incumprimento associados a vendas a crédito de bens e serviços. A marca Crédito y Caución também está presente em Espanha e no Brasil. No resto do mundo opera como Atradius. Com uma quota de mercado mundial de 23%, somos um operador global de seguro de crédito presente em mais de 50 países, com acesso a informação de crédito de mais de 240 milhões de empresas em todo o mundo. A nossa actividade consolida-se no Grupo Catalana Occidente.

Mantenha-se informado. Receba a nossa Newsletter

Esta pagina web utiliza cookies

Utilizamos cookies de terceiros para fins analíticos (produzindo estatísticas baseadas nos seus hábitos de navegação), personalização (para lembrar o idioma ou as configurações preferidas da web) e publicidade comportamental (para desenvolver perfis e oferecer publicidade adaptada às suas preferências de navegação). Poderá configurar o uso desta tecnologia. Poderá também modificar ou retirar o seu consentimento a qualquer momento, clicando em "Declaração de Cookies".

 

Marketing

Os cookies de marketing são utilizados para rastrear os visitantes dos sites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e atraentes para o utilizador individual e, por conseguinte, mais valiosos para os editores e anunciantes terceiros.

Necessárias

Os cookies necessários ajudam a tornar um site utilizável, ativando funções básicas como navegação na página e acesso a áreas seguras do site. O website não pode funcionar corretamente sem estes cookies.

Estadísticas

Os cookies estatísticos ajudam os proprietários dos sítios Web a compreender como os visitantes interagem com o sítio Web, recolhendo e fornecendo informações de forma anónima.

Preferências

Os cookies de preferências permitem que o site se lembre de informações que alteram a forma como o site se comporta ou é apresentado, tais como o seu idioma preferido ou a região em que se encontra.