Brexit, a nova normalidade

A Crédito y Caución prevê que as insolvências no Reino Unido continuem a aumentar com um incremento de 7% ou superior em 2020.
 

Lisboa - 03-fev-2020

 

 

Três anos após o Reino Unido ter votado para sair da União Europeia (EU), a separação materializou-se através de um acordo de retirada estruturado. A saída do Reino Unido tornou-se realidade à meia-noite (CET) de sexta-feira, 31 de janeiro de 2020. Embora o foco esteja no futuro relacionamento comercial com a Europa, os impactos económicos no Reino Unido continuarão a causar dificuldades às empresas no curto prazo.


Agora que a data do Brexit expirou, o Reino Unido pode abrir negociações formais para novos acordos comerciais. O mais importante refere-se ao futuro relacionamento comercial com a UE. Os acordos atuais permanecerão em vigor até 31 de dezembro de 2020. No entanto, dada a brevidade deste prazo temporal, é provável que apenas seja plausível um acordo futuro limitado que poderia vir a implicar um ajuste doloroso em 2021. Acresce que se as duas partes não conseguirem negociar um acordo comercial no final do período de transição, correm o risco de voltar a uma relação baseada nas regras da Organização Mundial do Comércio. As pressões sobre o ambiente económico e as incertezas subjacentes continuarão a afetar os mercados do Reino Unido e da UE.


O longo período de incerteza criou um clima negativo que provavelmente persistirá em 2020 na ausência de detalhes sobre a futura relação comercial. Depois de estagnar em 2019, esperamos que o investimento empresarial britânico este ano se mantenha estável novamente, num contexto de baixa confiança e elevada incerteza. Espera-se uma desaceleração, em certa medida abrandada pelos estímulos fiscais e monetários, que colocará o crescimento económico do Reino Unido em 1% em 2020. Muitas empresas, já significativamente enfraquecidas pela instabilidade das condições desde o referendo de 2016, continuam em risco de insolvência.


As insolvências comerciais no Reino Unido continuarão a aumentar


Espera-se que as insolvências continuem a aumentar no Reino Unido, com um incremento de 7% ou superior em 2020. Da mesma forma, podemos esperar um aumento das falências empresariais na maior parte da Europa, embora a um ritmo mais moderado. As insolvências no Reino Unido cresceram significativamente desde 2018, aumentando outros 8% em 2019. O setor do retalho continua a enfrentar um aumento das falências devido à menor confiança do consumidor e à dinâmica de mudança no próprio setor. Ao depender fortemente das vendas sazonais, os retalhistas tendem a olhar para os resultados de vendas de dezembro como forma de fortalecer o seu desempenho. No entanto, o total de vendas no retalho caiu de forma generalizada em novembro e dezembro, de acordo com dados das empresas.


No caso dos setores britânicos dependentes das importações, em especial a agricultura e o setor alimentar, o Brexit continua a ser um fator de ameaça com o aumento dos custos logísticos que poderiam ser difíceis de absorver. O setor da construção vê-se ameaçado pela debilidade dos investimentos. O risco de aumento dos custos para atrair trabalhadores e a perda de mão de obra qualificada por parte de cidadãos da União Europeia que trabalham no Reino Unido poderiam aumentar ainda mais os riscos de insolvência.


Impacto mais moderado na UE, mas os riscos de queda aumentam


O impacto nas insolvências no resto da Europa será mais moderado. Países com laços comerciais mais estreitos com o Reino Unido, como a Irlanda, têm maior probabilidade de estar em risco. Espera-se um impacto nas insolvências noutros importantes parceiros comerciais, como a Bélgica, a Holanda e a Dinamarca, bem como no resto da Europa, mas mais limitados. De qualquer forma, o clima permanece volátil e, em geral, o risco de aumento das falências de empresas excede a probabilidade de um impacto modesto. Esperamos que os setores industriais que dependem fortemente das exportações para o Reino Unido, como o automóvel, têxtil ou tecnologia de ponta, sejam afetados de forma mais significativa.


Embora as previsões económicas gerais permaneçam moderadas, as oportunidades de crescimento do comércio durante e após o período de transição não devem ser subestimadas. Uma das chaves do sucesso será a solidez das estratégias de gestão de risco que combinem o acesso a informação empresarial fiável e a capacidade de proteger as empresas dos riscos comerciais.


Sobre a Crédito y Caución


Crédito y Caución é uma das marcas líderes em seguro de crédito interno e de exportação em Portugal, com uma quota de mercado de 26%. A Crédito y Caución contribui para o crescimento das empresas, protegendo-as dos riscos de incumprimento associados a vendas a crédito de bens e serviços. A marca Crédito y Caución também está presente em Espanha e no Brasil. No resto do mundo opera como Atradius. Somos um operador global de seguro de crédito presente em mais de 50 países.  A nossa actividade consolida-se no Grupo Catalana Occidente.
 

Mantenha-se informado. Receba a nossa Newsletter

Esta pagina web utiliza cookies

Utilizamos cookies de terceiros para fins analíticos (produzindo estatísticas baseadas nos seus hábitos de navegação), personalização (para lembrar o idioma ou as configurações preferidas da web) e publicidade comportamental (para desenvolver perfis e oferecer publicidade adaptada às suas preferências de navegação). Poderá configurar o uso desta tecnologia. Poderá também modificar ou retirar o seu consentimento a qualquer momento, clicando em "Declaração de Cookies".

 

Marketing

Os cookies de marketing são utilizados para rastrear os visitantes dos sites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e atraentes para o utilizador individual e, por conseguinte, mais valiosos para os editores e anunciantes terceiros.

Necessárias

Os cookies necessários ajudam a tornar um site utilizável, ativando funções básicas como navegação na página e acesso a áreas seguras do site. O website não pode funcionar corretamente sem estes cookies.

Estadísticas

Os cookies estatísticos ajudam os proprietários dos sítios Web a compreender como os visitantes interagem com o sítio Web, recolhendo e fornecendo informações de forma anónima.

Preferências

Os cookies de preferências permitem que o site se lembre de informações que alteram a forma como o site se comporta ou é apresentado, tais como o seu idioma preferido ou a região em que se encontra.